top of page

Thou shalt & thou shalt not

Before the «Thou shalt not» laws were ever thought or written thousands of years ago, «thou shalt» laws were around for a longer time. «Thou shalt not» laws were written, because the «thou shalt» laws were not followed.

It is not like humans cannot entertain good deeds, because some of us are inherently good and doing harm is something outside our scope of feeling or imagining. However, and parallelly, we witness «evil» running amok on an instant basis. Some say, that is up to the conscious of each one us. That any means justify the end. I dare to disagree. As far as i have experienced, our levels of conscience vary and it takes awareness to change or end habits and obsolete parts of our programming and culture. Hence the «thou shalt» laws not having produced the expected results. Hence the policing, hence the prisons, hence the punishments. Humans do lack on responsibility, on accountability, on awareness.

I once dreamed of a world without leaders. Where we could govern ourselves as conscious beings and God like. With unshakable values, with uncompromising integrity. Today, I know it was a naive dream. And this dream originated in a place in me that knows that if there were many I, maybe it would be possible.



Tu deves e tu não deves

Antes das leis do «tu não deves» serem pensadas ou escritas há milhares de anos, as leis do «tu deves» já existiam há mais tempo. Leis do «tu não deves» foram escritas, porque as leis do «tu deves» não foram seguidas.

Não é que os humanos não sejam capazes de cultivar boas ações, porque alguns de nós são inerentemente bons e fazer o mal é algo fora do nosso alcance de sentimento ou imaginação. No entanto, e paralelamente, testemunhamos o «mal» a acontecer descontrolado instantaneamente. Algumas pessoas dizem que tudo depende do consciente de cada um de nós. Que qualquer meio justifica o fim. Eu ouso discordar. Pelo que vivo experienciando, os nossos níveis de consciência variam e é preciso estar atento para mudar ou acabar com hábitos e partes obsoletas da nossa programação e cultura. Daí as leis do «tu deves» não terem produzido os resultados esperados. Daí a necessidade de policiamento, daí as prisões, daí as punições. Os humanos carecem de responsabilidade, de prestação de contas, de consciência.

Uma vez sonhei um mundo sem líderes. Onde poderíamos nos governar como seres conscientes e semelhantes a Deus. Com valores inabaláveis, com integridade implacável. Hoje, sei ter sido um sonho ingénuo. E este sonho teve origem num lugar em mim que sabe que se existissem muitos Eu, talvez fosse possível.

~~Ana~~


Comentários


bottom of page